• Rio Open Etapa carioca será pioneira ao testar sistema Hawk-Eye no vôlei de praia

    Da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ) - 04.09.2015 Palco da primeira partida chancelada pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB), a Praia de Copacabana será mais uma vez pioneira no vôlei de praia. O Rio Open, etapa brasileira do Circuito Mundial 2015, sediará o primeiro teste do sistema Hawk-Eye, que já auxilia a arbitragem em lances duvidosos e permite a correção de pontos no indoor. O Hawk-Eye será testado internamente, sem envolvimento dos atletas, em um dos jogos das quartas de final deste sábado (05.09). Em seguida, será utilizado com a participação dos atletas nas semifinais, ainda no sábado, e nas finais no domingo (06.09). Os atletas poderão requisitar o desafio duas vezes a cada set. Se o pedido de revisão estiver correto (o erro do arbitro se confirmar), as tentativas serão mantidas. O desafio não pode ser acumulado para o próximo set, limitando sempre a dois pedidos por etapa do jogo. Na visão do Diretor de Vôlei de Praia da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), e diretor do Rio Open, Fulvio Danilas, o Hawk-Eye é uma importante ferramenta para modernizar o esporte. "É um orgulho estar sediando pela primeira vez um sistema como este, tão importante. Ele minimiza que um jogo seja decidido por um erro humano. Ele já está sendo utilizado no voleibol indoor e vem para modernizar o vôlei de praia. Vamos fazer o primeiro teste e contribuir para que ele alcance um nível de excelência inclusive nos Jogos Olímpicos", destacou Fulvio Danilas. O desafio abrangerá os seguintes lances: bola dentro ou fora, toque na antena (pela bola ou jogador), toque na rede, toque no bloqueio e falta no saque (toque na linha ou saque fora de posição). O arbitro anunciará qual foi o desafio do capitão. No final, o resultado será exibido no telão e o arbitro explicará com um microfone o resultado. "O fundamental é que isto será um instrumento favorável ao jogo, favorável à decisão mais correta. Aumenta a credibilidade perante espectadores e arbitragem. Será sempre favorável ao atleta, mas também ao arbitro, que poderá tomar a decisão correta em situações difíceis para o olho humano. Um pequeno toque no bloqueio, fora do ângulo de visão da arbitragem, por exemplo. O propósito é sempre obter a verdade do jogo", disse José Casanova, Diretor de Arbitragem da FIVB. O Rio Open é a etapa brasileira do Circuito Mundial 2015, com uma arena para 2,8 mil pessoas, seis quadras de jogo e duas de aquecimento. O torneio será realizado nos mesmos moldes das Olimpíadas de 2016 (com exceção do qualificatório), testando também o posicionamento das quadras em relação ao mar, além da localização da estrutura, a mesma dos Jogos. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro. Read More
    Circuito Mundial
  • Brasil x EUA ‘Desafio Histórico’ terá duelo de lendas do vôlei de praia

    Da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ) - 04.09.2015 Os primeiros brasileiros a vencerem o Circuito Mundial contra uma dupla que por cinco vezes seguidas levou a melhor em etapas na Praia de Copacabana. O ‘Desafio Histórico’ colocará frente a frente os ex-jogadores Franco e Roberto Lopes contra os norte-americanos Sinjin Smith e Randy Stoklos neste sábado, às 11h15, na arena central do Rio Open. A partida de exibição será realizada durante a etapa brasileira do Circuito Mundial 2015, que serve também como evento teste aos Jogos Olímpicos de 2016. Franco/Roberto Lopes e Smith/Stoklos iniciaram a histórica rivalidade entre brasileiros e norte-americanos no vôlei de praia, disputando finais importantes ao longo dos anos. Franco e Roberto Lopes foram os primeiros brasileiros a quebrarem a hegemonia dos norte-americanos em solo carioca. Eles venceram a etapa de 1994, quando derrotaram Carlos Briceno e Jeff Williams. Além do Circuito Mundial daquele ano, a dupla também venceu o ano seguinte, além de conquistarem o bronze nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg (Canadá). Smith e Stoklos venceram a primeira etapa chancelada pela Federação Internacional de Vôlei de Praia (FIVB), realizada em 1987, no Rio de Janeiro, em Ipanema. Depois, embalaram e conquistaram os títulos das etapas cariocas de 1989, 1990, 1991 e 1992. Franco/Roberto Lopes e Smith/Stoklos se enfrentaram na disputa de bronze da etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial de 1993, quando os norte-americanos levaram a melhor e acabaram subindo ao pódio. Após as partidas, os ex-jogadores concederão entrevista na zona mista da arena. Importante: Apenas os veículos já credenciados para o Rio Open poderão fazer imagens e entrevistas da partida de exibição neste sábado. Novos credenciamentos não serão aceitos. Read More
    Circuito Mundial
  • Rio Open Times brasileiros conquistam quatro vitórias no primeiro dia de competição

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 03.09.2015 A Praia de Copacabana, berço do vôlei de praia no país, foi palco nesta quinta-feira (03.09) do primeiro dia de disputas do Rio Open. E repetindo o que as mulheres já haviam feito, os times masculinos brasileiros começaram com vitórias importantes, vencendo quatro dos seis jogos realizado pela 13ª etapa do Circuito Mundial 2015, torneio que também serve como evento-teste aos Jogos Olímpicos. A disputa segue a todo vapor nesta sexta-feira (04.09), quando cada dupla disputará mais dois jogos pela chave. Os dois primeiros colocados de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados na classificação geral avançam direto às oitavas de final. Os outros dois terceiros disputam uma partida eliminatória (lucky loser), ainda nesta sexta-feira, e completam o grupo dos 16 times que avançam à fase eliminatória. As partidas de encerramento da chave principal masculina terão início às 10h (horário de Brasília) na arena montada na praia de Copacabana (altura da Avenida Princesa Isabel), com entrada franca ao público, animadores e um grande telão exibindo os lances de jogo. Alison e Bruno Schmidt (ES/DF), campeões mundiais e representantes do Brasil nos Jogos Olímpicos de 2016, foram os mestres de cerimônia e abriram o primeiro dia de disputa em Copacabana vencendo Márcio Araújo e Luciano (CE/ES) por 2 sets a 0 (21/13 e 21/14), em 34 minutos. "Bom demais estrear aqui no Brasil com o pé direito e a um ano dos Jogos. O Rio Open tem adversários fortíssimos, o Márcio Araújo é vice-campeão olímpico, o Luciano uma revelação. Mas o mais importante é que a gente teve tranquilidade. Começou a chover, nos adaptamos bem e concentramos em fazer o nosso melhor", avaliou Alison. Bruno Schmidt também destacou a evolução da dupla, que venceu as últimas cinco etapas do Circuito Mundial - Holanda, Suíça, Japão, EUA e Polônia -, apesar do ritmo seguido de partidas. "O principal não é ficar computando essas vitórias, mas sim o fato de que temos crescido ao longo das competições. É bem cansativo, chegamos ao Brasil na segunda-feira de madrugada, com o fuso horário da Polônia, e tendo que se habituar e recuperar as energias. O pensamento aqui no Rio é evoluir a cada jogo do torneio", disse Bruno Schmidt. Pelo grupo B, os cariocas Pedro Solberg e Evandro (RJ) despacharam os compatriotas Pedro Cunha e Allison Francioni (RJ/SC) por 2 sets a 0 (21/11 e 21/19), em 34 minutos. Em outro confronto "caseiro", mas pelo grupo E, os experientes Ricardo e Emanuel (BA/PR), que venceram a etapa brasileira do Circuito Mundial disputada em Copacabana, em 2003, levaram a melhor sobre Ramon Gomes e Lipe por 2 sets a 0 (21/14 e 21/13), em 33 minutos. Guto e Saymon (RJ/MS), vencedores da primeira etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 15/16, também estrearam com vitória no Rio Open ao vencerem os poloneses Michal Kadziola e Jakub Szalankiewicz por 2 sets a 1 (21/11, 18/21 e 15/11), em 47 minutos. Já Bruno/Hevaldo (AM/CE) e Daniel Souza/Marcus (RJ) foram surpreendidos pelos alemães Lars Flüggen e Markus Böckermann (2 sets a 0, com parciais de 21/18 e 25/23 em 40 minutos) e Bartosz Losiak e Piotr Cantor (2 sets a 1, com parciais de 21/18, 17/21 e 15/11 em 47 minutos), da Polônia, respectivamente. O Rio Open serve como evento-teste para as Olimpíadas e é disputado na mesma faixa de areia dos Jogos do ano que vem. A última etapa realizada em Copacabana aconteceu em 2004, e o título ficou com as brasileiras Ana Paula e Sandra Pires. Serão distribuídos 150 mil dólares em premiações na competição para ambos os naipes. O formato também é olímpico, com o torneio principal composto por 24 duplas femininas, divididas em seis grupos de quatro times cada. Avançam à segunda fase os dois primeiros colocados e os dois melhores terceiros colocados. Os outros dois terceiros disputam uma partida eliminatória para definir as 16 equipes classificadas às oitavas de final. VEJA OS RESULTADOS DO DIA VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA Read More
    Circuito Mundial
  • Foco em 2016 Brasil treina em Barueri como preparação para o Sul-Americano

    Depois de conquistar a Copa Rio Internacional de Voleibol Feminino no último domingo (30.08), a seleção brasileira feminina de vôlei está de volta aos treinamentos. O Brasil realiza nesta semana um período de treinos, em Barueri (SP), como preparação para o Sul-Americano, que será disputado em Cartagena, na Colômbia, de 29 de setembro a quatro de outubro. O time verde e amarelo ficará na cidade paulista até essa sexta-feira (04.09) e embarcará para a Holanda na segunda-feira (07.09), onde disputará uma série de amistosos contra as holandesas nos dias 10, 12, 13 e 16 de setembro. O treinador José Roberto Guimarães comentou sobre a importância do período de treinamentos e do convívio da comissão técnica com as atletas da seleção. “Estamos treinando juntos tendo como objetivo os Jogos Olímpicos. Esse é o momento de focarmos, nos conscientizarmos e falarmos sobre a responsabilidade, o comprometimento e os adversários que teremos no próximo ano. A prioridade desses treinamentos continua sendo a parte física. Isso será um histórico para o futuro”, disse José Roberto Guimarães. A bicampeã olímpica Sheilla falou sobre o próximo desafio do time verde e amarelo e elogiou o próximo adversário das brasileiras. “Sabemos das dificuldades que teremos nos Jogos Olímpicos. Queremos muito um bom resultado no próximo ano e por isso estamos treinando forte e focadas nesse objetivo. Esse período de treinamentos e jogos é muito importante. Agora, nós enfrentaremos novamente a Holanda em uma série de amistosos. Vejo as holandesas evoluindo muito e acredito que elas têm chance de se classificarem para os Jogos Olímpicos. Nossa última partida no Rio na semana passada foi muito equilibrada”, afirmou Sheilla, se referindo à vitória por 3 sets a 2 do time verde e amarelo sobre a Holanda pela Copa Rio Internacional de Vôlei Feminino. Nesta temporada, a seleção feminina ficou com a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos e conquistou o bronze no Grand Prix. Na última semana, as brasileiras disputaram a Copa Rio Internacional de Vôlei Feminino, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro e ficaram com o título ao superar Alemanha, Bulgária e Holanda. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Seleções
  • Rio Open Brasil começa torneio feminino com seis vitórias e bons jogos

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 03.09.2015 O Brasil teve uma ótima largada no torneio feminino do Rio Open, etapa brasileira do Circuito Mundial 2015. Os times que representam o país conseguiram seis vitórias pela fase de grupos nesta quinta-feira (03.09), com quatro derrotas justamente em duelos caseiros. As partidas da fase de grupos seguem nesta sexta-feira (04.09), quando cada equipe disputará ao menos mais dois jogos pela chave. No mesmo dia também ocorrem as partidas que definem os terceiros colocados classificados à fase eliminatória (lucky loser). Os jogos começam às 8h (de Brasília) e seguem até 23h, com entrada franca ao público na Praia de Copacabana, exatamente no mesmo local onde a arena dos Jogos Olímpicos será montada em 2016. A partida de abertura ficou por conta de Larissa/Talita (PA/AL), primeiro time classificado aos Jogos Olímpicos do Rio e que venceu Ângela e Rachel Nunes por 2 sets a 0 (21/8 e 21/8), em 27 minutos. Quem também se deu bem foram as campeãs mundiais Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ), que conseguiram superar Pauline e Paula Hoffmann (RJ) e aplicaram 2 sets a 0 (21/11 e 21/9), em 32 minutos. "Muito boa essa responsabilidade de abrir o torneio, estrear e estrear bem. Jogamos muito bem contra um time que já conhecíamos. É diferente. Lá fora você enfrenta mais times estrangeiros e aqui a maioria dos jogos são caseiros. Mas importante iniciar com o pé direito esse evento preparatório, principalmente na preparação mental", afirmou Talita. De acordo com Larissa, atleta com maior número de títulos em etapas do Circuito Mundial, com 55 conquistas, a forte presença de duplas brasileiras no Rio Open é um atrativo para a competição, que é um evento-teste para 2016. "Foi nosso primeiro jogo já classificadas para as Olimpíadas, foi muito bacana. Os times brasileiros são fortes e se credenciaram para estar aqui. Independente do país adversário, estamos focadas em fazer um bom torneio para que no ano que vem a gente tenha boas lembranças sobre jogar em casa", completou a atleta. Em outro confronto verde-amarelo do dia, Juliana e Maria Elisa superaram Ana Patrícia e Renata (MG/RJ) por 2 sets a 0 (21/16 e 21/12), em 31 minutos. Vice-campeãs do mundo, Fernanda Berti e Taiana (RJ/CE) precisaram de 38 minutos para vencer Josi/Val por 2 sets a 0, em parciais de 21/18 e 21/17. Nos confrontos reservados para o período da noite, mais duas vitórias para o Brasil. Elize Maia e Duda (ES/SE) levantaram o público presente na arena central em Copacabana e travaram um duelo de alto nível diante das espanholas Liliana Fernández e Elsa Baquerizo, vencendo de virada, por 2 sets a 1 (19/21, 21/19 e 15/12), em 51 minutos. "Muito bom estrear com vitória, ainda mais quando falamos de um torneio especial como o Rio Open. Deu para sentir um pouco da energia olímpica e estou muito feliz com esse resultado, vamos com força total para amanhã", comemorou Elize Maia. Atuando praticamente em casa, as irmãs cariocas Maria Clara e Carolina (RJ) venceram Katharina Schützenhöfer e Lena Plesiutschnig por 2 sets a 0 (21/15 e 21/10), em 34 minutos. "Estávamos muito focadas para essa primeira partida do campeonato, a gente adora jogar em Copacabana. É um momento do ano difícil, a gente vem de etapas complicadas do Circuito Mundial, mas estamos com muita energia para o Rio Open, querendo muito os resultados. Saímos satisfeitas pelo primeiro dia, mas sabendo que temos que melhorar a cada jogo", afirmou Maria Clara após a partida na arena central. O Rio Open servirá como evento-teste para as Olimpíadas e será disputado na mesma faixa de areia dos Jogos do ano que vem. A última etapa realizada em Copacabana aconteceu em 2004, e o título ficou com as brasileiras Ana Paula e Sandra Pires. Serão distribuídos 150 mil dólares em premiações na competição para ambos os naipes. O formato também é olímpico, com o torneio principal composto por 24 duplas femininas, divididas em seis grupos de quatro times cada. Avançam à segunda fase os dois primeiros colocados e os dois melhores terceiros colocados. Os outros dois terceiros disputam uma partida eliminatória para definir as 16 equipes classificadas às oitavas de final. VEJA OS RESULTADOS DO DIA VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA Read More
    Circuito Mundial
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1
  • 1

Seleção Masculina

Vôlei Praia

Seleção Feminina

Vôlei Quadra