• Evento-teste Rio Open: Copacabana recebe etapa internacional após 11 anos

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 31.08.2015 O Rio de Janeiro (RJ) é considerado berço do vôlei de praia brasileiro, e a Praia de Copacabana, principal palco das disputas do esporte. E nesta semana, de quarta-feira (02.09) a domingo (06.09), é justamente este cartão-postal que recebe o FIVB World Tour Rio Open, 13ª parada do Circuito Mundial 2015. A disputa também servirá como evento-teste aos Jogos Olímpicos de 2016, utilizando mesmo formato de competição e posicionamento da arena. A última etapa realizada em Copacabana aconteceu em 2004, com títulos para as brasileiras Ana Paula/Sandra Pires, e aos alemães Markus Dieckmann/Jonas Reckermann. Ao todo, 14 eventos masculinos e outros sete femininos foram disputados no Rio de Janeiro. O Rio Open contará com entrada franca e uma arena central para 2,8 mil pessoas, com outras cinco quadras de jogo e duas quadras de aquecimento. Além do local da arena na Praia de Copacabana, que será o mesmo dos Jogos Olímpicos, o sistema de disputa do torneio também será realizado exatamente como ocorrerá em 2016 (com exceção do qualificatório). O torneio principal será composto por 24 duplas em cada gênero, com a formação de seis grupos de quatro times. Avançam à segunda fase os dois primeiros colocados e mais O Brasil já tem garantidos oito representantes na fase principal, mas o número pode aumentar com a disputa do qualificatório. No torneio masculino estão confirmados Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), Evandro/Pedro Solberg (RJ), Ricardo/Emanuel (BA/PR) e Pedro Cunha/Allison Francioni. (RJ/SC, convite da organização). No torneio feminino, outras quatro duplas também começam na fase de grupos, pela posição no ranking de entradas: Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ), Fernanda Berti/Taiana (RJ/CE, convite da organização), Juliana/Maria Elisa (CE/PE) e Larissa/Talita (PA/AL). Os jogos começam na quarta-feira (02.09), com a disputa do torneio qualificatório. Nele, as duplas inscritas disputarão - em jogos eliminatórios diretos - oito vagas em cada naipe para a fase de grupos do torneio principal. Outras 16 duplas já estão garantidas nesta fase, 14 pela posição no ranking de entradas, e outras duas por convites (wild card). Os jogos do torneio principal começam na quinta-feira (03.09), em ambos os naipes. As duplas brasileiras chegam ao Rio Open em grande fase, como líderes e vice-líderes dos rankings masculino e feminino do Circuito Mundial. Alison/Bruno Schmidt (ES/DF), que já garantiu vaga aos Jogos de 2016, lidera com 5.720 pontos, seguido por Evandro/Pedro Solberg (RJ), que tem 4.720. No feminino, Ágatha/Bárbara (PR/RJ) está em primeiro com 5.900 pontos, com Larissa e Talita (PA/AL), classificadas aos Jogos, em segundo, com 5.340 pontos. FORMATO DE DISPUTA Torneio Qualificatório: 32 times (máximo)Os confrontos são definidos com base na pontuação das duplas no ranking de entradas. O time cabeça de chave número 1 enfrenta a dupla ranqueada na 32º posição. As partidas são eliminatórias. Os 16 vencedores da primeira fase se enfrentam novamente na segunda rodada, que define os oito times classificados à fase de grupos. Torneio Principal: 24 timesAs equipes são divididas em seis grupos de quatro times, de acordo com a posição no ranking, jogando entre si. Os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados (através de índice técnico) avançam direto às oitavas-de-final. Os outros quatro terceiros de cada chave disputam uma partida eliminatória direta chamada ‘lucky-loser’ e os vencedores se juntam aos outros times nas oitavas-de-final. Fase eliminatória simples: 16 timesOs oito vencedores das oitavas-de-final, em partidas eliminatórias diretas, avançam às quartas-de-final do torneio. O formato segue da mesma forma, definindo os quatro semifinalistas. Fase semifinal e fase final: 4 timesOs vencedores das semifinais disputam o título da competição carioca, enquanto os times derrotados se enfrentam pela medalha de bronze. VEJA AS DUPLAS MASCULINAS INSCRITAS AO TORNEIO PRINCIAL VEJA AS DUPLAS FEMININAS INSCRITAS AO TORNEIO PRINCIAL SERVIÇO - RIO OPEN Quando:De quarta-feira (02.09) a domingo (06.09) Horário:Quinta-feira, a partir das 13h; demais dias, a partir das 8h Local:Praia de Copacabana, altura da Av Princesa Isabel Entrada Franca Read More
    Circuito Mundial
  • Mundial Sub-23 Brasil vence a Argentina e termina na 5ª colocação

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 31.08.2015 A seleção brasileira Sub-23 masculina venceu a Argentina por 3 sets a 1 (25/19, 25/18, 30/32 e 25/22), em 1h47 de jogo, nesta segunda-feira (31.08), e terminou o Mundial da categoria na quinta colocação. O time comandado pelo técnico Rubinho disputou sete jogos em Dubai, nos Emirados Árabes, com uma campanha de cinco vitórias e duas derrotas. O ponteiro Douglas Souza foi o destaque da partida e terminou o confronto como o maior pontuador, com 20 acertos. O central Aracaju teve mais uma boa apresentação e também pontou bem para o time verde e amarelo, com 17 acertos. Pela Argentina, Pablo Koukartsev of anotou 19 pontos e foi o principal atacante. Após a partidar, o técnico Rubinho enalteceu o ponto que considerou fundamental na vitória, o conjunto bloqueio-defesa e o saque dos seus comandados. "Fizemos um bom jogo, melhor do que o duelo anterior contra a Argentina, na fase preliminar. Parabéns à seleção argentina por jogar muito bem com uma equipa tão jovem. Mas hoje jogamos melhor no conjunto bloqueio-defesa e no saque. Este é um campeonato difícil. Nós tentamos o nosso melhor, jogando tão bem quanto possível. Todas as equipes neste torneio foram muito bem taticamente e fisicamente", analisou o técnico Rubinho."Acho que jogamos muito bem nos dois primeiros sets. Não estivemos bem no terceiro, mas fomos capazes de gerir isso e ficarmos com o quinto lugar. Quero parabenizar a Argentina pelo trabalho duro contra nós durante o torneio", analisou o levantador e capitão Thiaguinho. O jogo começou equilibrado, mas após o primeiro tempo técnico, o time verde e amarelo deslanchou - com grande atuação de Douglas Souza - e fechou a primeira parcial. O Brasil continuou mantendo o ritmo no segundo set, mantendo a liderança do placar desde o primeiro tempo técnico, explorando bem as jogadas com Aracaju. A Argentina melhorou no início do terceiro set, com bons ataques de Pablo Koukartsev e Joaquin Gallego, mantendo a ponta do placar. O Brasil conseguiu igualar o jogo em 19/19, mas no final a Argentina salvou três pontos do jogo, virando o placar, e adiou a vitória brasileira. Bem no saque e no bloqueio, o time de Rubinho abriu uma vantagem de cinco pontos no começo do quarto set e não foi mais alcançado. O Brasil terminou com quatro pontos de saque, contra dois dos adversários, além de ter cedido menos erros. Foram 31 pontos cedidos pelo time argentino, contra 22 da seleção brasileira. O Brasil começou a partida com o levantador Thiaguinho, o oposto Alan, os ponteiros Kadu e Douglas, os centrais Aracaju e Flávio, além do líbero Rogerinho. Entraram durante o jogo o levantador Fernando, o oposto Wagner e o ponteiro João. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Quadra
  • Em Copacabana Duplas classificadas aos Jogos de 2016 concedem coletiva nesta terça

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 31.08.2015 As duplas de vôlei de praia Alison/Bruno Schmidt e Larissa/Talita, que conquistaram a classificação aos Jogos Olímpicos Rio 2016 no último fim de semana, concederão entrevista coletiva nesta terça-feira (01.08), às 11h, no hotel Windsor Plaza (Av. Princesa Isabel, 263). Os atletas farão a abertura do Rio Open, etapa do Circuito Mundial 2015 que ocorre de 2 a 6 de setembro, na Praia de Copacabana, na altura da Avenida Princesa Isabel. A etapa brasileira também servirá como evento-teste aos Jogos Olímpicos do Rio, utilizando o mesmo formato de competição e com arena posicionada no mesmo local. IMPORTANTE Veículos interessados na cobertura devem confirmar presença através do e-mail imprensa@volei.org.br até as 17h desta segunda-feira (31.08). Não haverá necessidade de retirada de credenciais para a entrevista coletiva. Porém, para acesso à arena, onde está localizada a sala de trabalho da imprensa, e cobertura dos jogos a partir de quarta-feira (02.09) até domingo (06.09), as credenciais deverão ser retiradas pelos jornalistas a partir desta terça-feira (01.09), em estande montado na entrada da própria arena, na Praia de Copacabana, das 8h às 18h. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Circuito Mundial
  • grande fase Alison e Bruno vencem quinto título seguido e ficam perto de igualar recorde

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 30.08.2015 Desde a disputa do Campeonato Mundial 2015, realizado na Holanda, uma dupla domina o cenário internacional do vôlei de praia masculino. Na manhã deste domingo (30.08), Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) deram mais uma prova disso e conquistaram a medalha de ouro do Grand Slam de Olsztyn, na Polônia. O quinto título seguido veio após a vitória sobre Jake Gibb e Casey Patterson, dos Estados Unidos, por 2 sets a 0 (21/10 e 21/15), em 34 minutos. O ouro na Polônia deixa a dupla com chances de igualar um importante recorde de vitórias consecutivas em etapas do Circuito Mundial. A marca pertence aos também brasileiros Emanuel e Loiola. Na temporada 1999 eles foram campeões das etapas da Noruega, Itália, França, Áustria, Portugal e Bélgica em sequência, estabelecendo série que até hoje não foi alcançada por nenhum outro time. Antes do triunfo nas areias polonesas, Alison e Bruno já tinham subido ao lugar mais alto do pódio no Campeonato Mundial da Holanda, no Major Series de Gstaad (Suíça), e ainda nos Grand Slams de Yokohama (Japão) e Long Beach (Estados Unidos) - além de terem conquistado o direito de representar o Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Caso vençam o Rio Open, na próxima semana, igualam Emanuel/Loiola. Este é o sexto título da dupla em etapas internacionais - além das cinco conquistas de 2015, eles também haviam vencido a etapa de Klagenfurt em 2014. Em toda carreira, Alison soma agora 17 medalhas de ouro no Circuito Mundial, enquanto Bruno Schmidt já subiu ao lugar mais alto do pódio em oito oportunidades. A vitória rende uma premiação de 57 mil dólares aos campeões, que também somam 800 pontos no ranking da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) e na corrida olímpica brasileira, onde já não poderão mais ser alcançados por nenhum time. "Desde o Campeonato Mundial da Holanda nosso jogo vem fluindo bem, tiramos muita coisa das costas, muita pressão. E pensando ponto a ponto, jogo a jogo, as coisas estão acontecendo. O time nos ajudou muito nesse processo, mas não esperava vencer cinco torneios consecutivos. É muito bom e mostra que estamos no caminho certo, e devemos continuar assim", comemorou Bruno Schmidt. "O Bruno foi perfeito não apenas nesse jogo, mas durante todo o torneio. Ele foi muito bem no saque, na defesa, ajudou muito nosso time. Acho que no momento ele é o melhor atleta do mundo. Conquistamos cinco medalhas de ouro consecutivas, o é perfeito. Nosso time está a cada dia mais fortalecido, e que venha a etapa do Rio de Janeiro", enalteceu Alison. O JogoPara alcançar a decisão, Alison e Bruno Schmidt fizeram uma partida de recuperação pela semifinal diante dos canadenses Chaim Schalk e Ben Saxton, que haviam eliminado Ricardo e Emanuel ainda pela fase de oitavas de final. O capixaba e o brasiliense venceram por 2 sets a 1 (19/21, 21/19 e 15/9), em 48 minutos. Horas depois, a dupla retornou à quadra central para encarar os norte-americanos Jake Gibb e Casey Patterson - que nunca venceram os rivais os brasileiros nos quatro confrontos anteriores entre os times. A partida foi mais uma final entre Brasil x EUA, assim como na etapa anterior, no Grand Slam de Long Beach, quando os brasileiros venceram Dalhausser e Lucena. E os campeões mundiais apresentaram para o público polonês o alto nível de voleibol que os credenciou a representar o Brasil nas Olimpíadas do Rio, ano que vem. A parceria conseguiu duas quebras logo no início do jogo, com Bruno Schmidt, e fez 5/2. Bem na partida, Alison e Bruno Schmidt não demoraram para impor seu ritmo de jogo e ampliar a vantagem para 12/5, após o capixaba se agigantar na rede. Os norte-americanos buscaram a reação, mas Bruno Schmidt deu a resposta na medida para levar o Brasil em vantagem para o tempo técnico, com 13/8. O "Mamute" seguiu sendo implacável na rede, e anotou vários blocks consecutivos para encaminhar a vitória no primeiro set, fechado também no fundamento, com 21/10. Diferentemente do primeiro, o segundo set começou favorável aos norte-americanos, que abriram 4/1. Ao natural, os brasileiros igualaram as ações e empataram o jogo e viraram em 12/11, após grande rally e largada com estilo de Alison. Era o que faltava para a dupla deslanchar no placar. Em uma das várias defesas salvadoras de Bruno Schmidt, Alison anotou o ponto do jogo e fechou o set em 21/15. A próxima parada é o Open do Rio de Janeiro, de 2 a 6 de setembro, na Praia de Copacabana. O torneio terá entrada franca à torcida na arena montada na altura da avenida Princesa Isabel. Em 2015, o calendário do Circuito Mundial prevê cinco Grand Slams, três Major Series, dez Opens, o Campeonato Mundial e o World Tour Finals, que reunirá apenas os oito melhores times da temporada de cada gênero. Cada torneio possui pontuação e premiação distintas, mas serão distribuídos ao todo mais de 9,6 milhões de dólares. BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2015: Open de PragaÁgatha/Bárbara Seixas - ouro Duda/Elize Maia - bronze Grand Slam de MoscouLarissa/Talita - ouro Evandro/Pedro Solberg - prata Major Series de PorecLarissa/Talita - ouro Major Series de StavangerEvandro/Pedro Solberg - ouro Juliana/Maria Elisa - ouro Ágatha/Bárbara Seixas - prata Grand Slam de São PetersburgoÁgatha/Bárbara Seixas - ouroJuliana/Maria Elisa - prataFernanda Berti/Taiana - bronze Campeonato Mundial da HolandaÁgatha/Bárbara Seixas - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prataJuliana/Maria Elisa - bronzeEvandro/Pedro Solberg - bronze Major Series de GstaadLarissa/Talita - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prata Grand Slam de YokohamaAlison/Bruno Schmidt - ouroÁgatha/Bárbara Seixas - prata Grand Slam de Long BeachAlison/Bruno Schmidt - ouroLarissa/Talita - ouro Grand Slam de OlsztynAlison/Bruno Schmidt - ouroLarissa/Talita - ouro VEJA A GALERIA DE FOTOS VEJA OS RESULTADOS DO DIA O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro. Read More
    Circuito Mundial
  • É campeão De virada, Brasil vence a Holanda e conquista a Copa Rio Internacional de Voleibol Feminino

    A seleção brasileira feminina de vôlei é campeã invicta da Copa Rio Internacional de Voleibol Feminino. Neste domingo (30.08), o Brasil venceu, de virada, a Holanda por 3 sets a 2 (23/25, 22/25, 25/22, 25/18 e 15/10), em 2h05 de jogo, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. As holandesas ficaram com a medalha de prata e a Bulgária, que neste domingo venceu a Alemanha por 3 sets a 2 (22/25, 25/20, 25/20, 20/25 e 15/13), terminou com a terceira colocação. A ponteira Gabi foi maior pontuadora entre as brasileiras, com 18 acertos. As centrais Carol, com 17 pontos (sendo seis de bloqueio), e Adenízia, com 14, e as atacantes Natália, com 13, e Monique, com 10, também pontuaram bem pelas brasileiras. O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise da vitória das brasileiras sobre as holandesas. “A entrada da Sheilla foi importante no quarto set. Ela ajudou a equilibrar o time. Foi um bom teste. Vimos que precisamos melhorar o saque, o bloqueio e a defesa, que são fundamentos que fazem a diferença nas partidas. No primeiro e no segundo sets eles não funcionaram e sofremos em quadra. A partir do terceiro, nosso saque funcionou e o volume de jogo apareceu. Essa é a tônica para o nosso sistema de jogo. Quando começamos a usar as centrais nos contra-ataques, a nossa transição de jogo melhorou e passamos a levar vantagem”, explicou José Roberto Guimarães, que ainda comentou sobre a importância da Copa Rio Internacional de Voleibol. “O meu sentimento hoje dentro da quadra era como se eu tivesse jogando um Mundial ou os Jogos Olímpicos. Foi muito legal a participação da torcida e o fato de jogar no Maracanãzinho contra equipes de qualidade do cenário mundial que podem estar presentes nos Jogos Olímpicos, como a Holanda”, explicou José Roberto Guimarães. A oposto Sheilla, que entrou em quadra no quarto set e foi determinante para a vitória do Brasil, elogiou a postura do grupo durante toda a partida. “Foi uma boa vitória e o grupo está de parabéns pela atitude em quadra. Sabemos que ainda precisamos evoluir e estamos trabalhando forte para isso. Minha apresentação à seleção foi há pouco tempo e estou recuperando a minha melhor forma aos poucos. Estamos no caminho certo”, apostou Sheilla. O JOGOO set começou disputado ponto a ponto. Com um bom volume de jogo, o Brasil abriu dois pontos (7/5). A ponteira Gabi conseguiu um belo ataque pelo fundo e o time da casa fez 10/8. Na sequência a central Carol fez um ace e o Brasil abriu três pontos (12/9). Bem no saque, a Holanda cresceu de produção e empatou (14/14). Com um ace da central Adenízia, o Brasil voltou a abrir no marcador (16/14). O final da parcial foi disputado ponto a ponto. A Holanda aproveitou bem os contra-ataques e abriu dois pontos (20/18). O treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. A Holanda foi melhor na parte final da parcial e venceu o primeiro set por 25/23.A segunda parcial começou disputada ponto a ponto. Na primeira parada técnica, o Brasil tinha um de vantagem (8/7). Aproveitando-se dos erros do Brasil, a Holanda abriu dois pontos (12/10) e o treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. Bem no saque e no bloqueio, as holandesas abriram oito pontos (19/11). O Brasil cresceu de produção no final da parcial, mas as holandesas seguraram melhores até o final e venceram o segundo set por 25/22. O Brasil voltou melhor para o terceiro set e fez 5/2. Com um ace da ponteira Gabi, o time da casa abriu três pontos (7/4). A levantadora Dani Lins passou a jogar com velocidade e o time verde e amarelo fez 11/7. As brasileiras foram para o segundo tempo técnico vencendo por 16/12. A levantadora Roberta entrou na partida para sacar e fez um ace (19/13). A Holanda cresceu de produção e encostou no marcador (22/20). O Brasil segurou a vantagem até o final da parcial e venceu o terceiro set por 25/22. A quarta parcial começou equilibrada. Bem no contra-ataque, a Holanda abriu dois pontos (5/3). Numa bola de segunda da levantadora Dani Lins, o Brasil encostou no marcador (10/8). Neste momento, o treinador José Roberto Guimarães trocou as opostos. Entrou Sheilla e saiu Monique. A substituição fez bem ao Brasil que deixou tudo igual no marcador (11/11). E foi numa boa sequência de saques da oposto Sheilla que o Brasil virou o marcador (15/13). A ponteira Gabi conseguiu um ace e a diferença no marcador subiu para quatro pontos (18/14). O bloqueio das brasileiras funcionava e o Brasil fechou o quarto set por 25/18. O tie-break começou com as duas equipes se alternando na liderança. Com um ace da oposto Sheilla, o Brasil abriu dois pontos (5/3). Depois de um longo rally, o Brasil abriu três pontos (9/6). O Brasil segurou a vantagem até o final e venceu o set por 15/10 e o jogo por 3 sets a 2. BRASIL – Dani Lins, Monique, Gabi, Natália, Adenízia e Carol. Líbero – Camila Brait Entraram: Mari Paraíba, Sheilla, Macris, Léia Técnico – José Roberto Guimarães TABELA DE JOGOS:Data: 28/08/2015 (SEXTA-FEIRA):Bulgária 3 x 2 Holanda (25/14, 25/22, 18/25, 23/25 e 15/9) Brasil 3 x 0 Alemanha (25/20, 25/18 e 25/15) Data: 29/08/2015 (SÁBADO) Brasil 3 x 0 Bulgária (25/20, 25/21 e 26/24) Holanda 3 x 1 Alemanha (25/15, 25/18, 21/25 e 25/23) Data: 30/08/2015 (DOMINGO) Bulgária 3 x 2 Alemanha (22/25, 25/20, 25/20, 20/25 e 15/13)Brasil 3 x 2 Holanda (23/25, 22/25, 25/22, 25/18 e 15/10), CLASSIFICAÇÃO FINAL: 1) Brasil 2) Holanda 3) Bulgária 4) Alemanha GALERIA DE FOTOS:http://2015.cbv.com.br/midia/galeria-de-imagens/item/22549-maracanazinho-rio-de-janeiro-30-08-2015-brasil-x-holanda O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Galeria de Fotos
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1
  • 1

Seleção Masculina

Vôlei Praia

Seleção Feminina

Vôlei Quadra