• todos passaram Duplas masculinas completam show brasileiro e avançam às oitavas na Holanda

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) – 01.07.2015 As quatro duplas brasileiras que representam o país no Campeonato Mundial da Holanda venceram seus jogos nesta quarta-feira (01.07), no torneio masculino, e alcançaram a fase de oitavas de final da competição. E com direito a silenciar a arena na capital Amsterdã, onde os paraibanos Álvaro Filho e Vitor Felipe (PB) venceram os donos da casa e atuais campeões do torneio, Alexander Brouwer e Robert Meeuwsen. Os jogos seguem nesta quinta-feira (02.07), com a disputa das oitavas e quartas de final do torneio. Campeões olímpicos, Ricardo e Emanuel (BA/PR) encaram às 7h, (de Brasília) em Amsterdã os norte-americanos Nick Lucena e Theo Brunner. As duplas já se enfrentaram uma vez, na fase de grupos do Grand Slam de Moscou (Rússia), com triunfo dos brasileiros. Já Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) encaram Isaac Kapa e Christopher McHugh, da Austrália, às 8h (de Brasília), em Apeldoorn.  É o primeiro duelo entre as duas duplas. Em Roterdã, Álvaro Filho e Vitor Felipe (PB) duelam às 9h contra Lombardo Ontiveros e Juan Virgen, do México, no primeiro encontro entre as equipes. Na mesma cidade, Pedro Solberg e Evandro (RJ) decidem contra os cubanos Sergio Gonzalez e Nivaldo Diaz uma vaga nas quartas de final do Mundial, às 10h. Também é o primeiro duelo entre eles. O dia começou com triunfo de Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) diante de Youssef Krou e Edouard Rowlandson, da França. Os brasileiros não demoraram a impor seu ritmo no primeiro set. Depois de um início truncado, a parceria abriu 8/4 com Bruno Schmidt no serviço. A vantagem foi ampliada para 10/5, após bela recepção do brasiliense. Ele foi à rede para definir o ponto. A França ainda esboçaria uma reação, empatando em 15/15, mas o primeiro set foi fechado pelo Brasil, em erro não forçado dos rivais: 21 a 17. Alison e Bruno Schmidt seguiram com o controle do jogo na etapa final. Quando o placar indicava 6/5 para os franceses, Edouard Rowlandson sentiu um desconforto na coxa direita e solicitou atendimento médico. A pausa foi benéfica para o time verde e amarelo, que em um lindo bloqueio de Alison, virou o jogo para 7/6. O Brasil seguiu na frente e a cada ponto confirmado levantava a torcida. Sem oferecer perigo, os franceses nada puderam fazer diante do jogo encaixado da dupla, que levou o set em 21/14. “Esse time da França é muito forte. No Circuito Mundial já havíamos os enfrentado nos Grand Slams de Moscou e de São Petersburgo, semana passada. É um time que sabe jogar, vem chegando a semifinais e beliscando pódios. Mas tivemos muita consciência daquilo que precisávamos fazer. Conseguimos manter a calma mesmo com o atleta deles sentindo um pouco a perna, e acabamos conquistando mais uma vitória. O caminho é esse. Com o pensamento jogo a jogo podemos ir longe”, analisou Alison, que já sentiu o sabor da conquista do Campeonato Mundial, em 2011 ao lado do ex-parceiro Emanuel. Após a partida, Bruno Schmidt comentou sobre as características do time adversário pela fase de oitavas de final. “O adversário de amanhã joga com intensidade o tempo todo. O saque deles é muito eficiente, para fazer pontos o tempo todo. É um time que tem um estilo de jogo semelhante ao vôlei de quadra, com bolas rápidas para as pontas, não se mexem tanto. Então é um time um pouco atípico no vôlei de praia. A gente nunca jogou contra eles, somente com parceiros diferentes. Vamos estudá-los bem para não sermos surpreendidos”, disse Bruno Schmidt. Pedro Solberg e Evandro (RJ) abriram a rodada dupla brasileira em Roterdã - que também seria palco mais tarde da partida de Álvaro Filho e Vitor Felipe. E por terem avançado com a terceira campanha dentro de seu grupo, as atletas tiveram pela frente os poloneses Grzegorz Fijalek e Mariusz Prudel, que concluíram a primeira fase em primeiro de sua chave. Nada, entretanto, que tirasse o foco e a confiança dos cariocas. Os brasileiros iniciaram o jogo imprimindo um ritmo muito forte, e fechando a rede abriram 9/5. Com os atletas bem à vontade em quadra, a parceria carioca seguiu na frente e fechou a primeira etapa em 21/15, com Evandro cravando a bola no outro lado da quadra. O segundo set foi mais equilibrado. Ambos os times vieram para a etapa com uma proposta agressiva e se alternaram na frente do placar. Até a casa dos 20 pontos, era impossível saber qual dupla levaria o set. Pedro e Evandro tiveram um match point, mas Prudel não apenas salvou o ponto, como virou o placar, com 23/21, forçando o terceiro set. Os brasileiros abriram 4/1 na reta inicial do tie-break, mas os poloneses correram atrás do placar e jogo pegou fogo. Evandro e Fijalek trocaram algumas palavras na rede, e o jogo prosseguiu com cada ponto sendo disputado intensamente. Evandro se impôs na rede para marcar 14/12 e deixar o Brasil muito perto de confirmar mais um time nas oitavas de final. No ponto decisivo, Pedro Solberg chamou a responsabilidade e soltou o braço para fechar o set em 15/13 e o jogo em 2 sets a 1. “Um está aqui para ajudar o outro, seja no melhor momento ou nos momentos críticos da partida. Isso aqui é uma parceria, e dessa maneira buscamos ir além dos nossos objetivos”, disse Evandro após conquistar a classificação. Álvaro Filho e Vitor Felipe(PB) tiveram que superar dois desafios para alcançar a fase de oitavas de final. O primeiro obstáculo era o próprio time adversário, formado pelos atuais campeões mundiais Brouwer e Meeuwsen, da Holanda. O segundo era a atmosfera da arena central de Roterdã, tomada pela torcida local e que incentivou os donos da casa sem parar. Os holandeses começaram o jogo na frente, mas rapidamente o Brasil deu mostras de que não sentiria a pressão e virou para 4/3, em belo ace de Álvaro Filho. Brouwer e Meeuwsen buscaram a placar e empataram no lance seguinte - a etapa inicial seguiria com o marcador sendo igualado outras cinco vezes, até o momento de definição. Em um erro não forçado, os paraibanos alcançaram cinco set points, com 20/15. Os primeiros quatro foram salvos pela Holanda, mas o último foi aproveitado por Vitor Felipe, que fechou o set em 21/19. O segundo set foi muito parecido com o anterior, com o equilíbrio ditando o ritmo da etapa. Os brasileiros conseguiram quebrar o serviço adversário e abrir 2/0, mas os donos da casa retomaram a ponta. Álvaro Filho e Vitor Felipe conseguiram o empate em 12/12, principalmente explorando a rede dos rivais. Com grandes rallys, como o que deixou o jogo novamente empatado em 19/19, equipes seguiram trocando pontos. No final, Vitor Felipe levou a melhor no bloqueio e deixou o Brasil muito próximo de fechar o set e o jogo, encerrado no lance seguinte em 25/23 e 2 sets a 0. Em Amsterdã, Ricardo e Emanuel (BA/PR) encerraram o sexto dia de disputa do Campeonato Mundial diante dos poloneses Kadziola e Szalankiewicz. O primeiro set foi marcado pelo alto número de erros na virada de bola dos adversários. Os atuais campeões brasileiros de vôlei de praia aproveitaram para desenvolver seu melhor voleibol e abiram larga vantagem na etapa, encerrada por Ricardo em 21/13. A Polônia corrigiu o posicionamento em quadra no segundo set e passou a errar menos, dando trabalho para o Brasil. Ricardo subiu alto para anotar seu quinto bloqueio no jogo e empatar o placar em 9/9. No lance seguinte, Emanuel não aliviou e soltou o braço no contra-ataque para virar a partida. Kadziola e Szalankiewicz foram para o tudo ou nada e voltaram a ficar em vantagem, com 18/16. Só que o Brasil tinha a categoria de Emanuel e Ricardo em quadra. O paranaense anotou dois pontos consecutivos, recolocando a parceria no caminho das oitavas. Depois, foi a vez de Ricardo definir. Após salvarem dois pontos do jogo, em um bloqueio do baiano a dupla alcançou o match point e fechou o set em 23/21. “Viemos preparados para esse jogo e jogamos muito bem o primeiro set. O time se acostumou com nosso estilo de jogo e o segundo set foi mais difícil, mas no final o bloqueio do Ricardo fez a diferença e conseguimos a vitória. Temos muita química juntos, o equilíbrio mental e o entrosamento nessas horas é importante e faz a diferença”, destacou Emanuel. O cruzamento das quartas de final também foi definido. Se passar pela dupla australiana, Alison e Bruno enfrentam os vencedores do duelo entre os norte-americanos Jake Gibb/Casey Patterson e os canadenses Josh Binstock e Sam Schachter. Já Ricardo e Emanuel podem ter pela frente na próxima fase o vencedor do duelo entre os suíços Philip Gabathuler e Mirco Gerson contra os catarianos Jefferson Santos Pereira e Cherif Younousse. Já do outro lado da chave, caso Álvaro Filho e Vitor Felipe passem pela dupla mexicana, terão pela frente um confronto contra seus ex-parceiros. Evandro e Pedro Solberg podem ser os adversários dos paraibanos nas quartas de final da competição. Dentro de quadra, os principais atletas disputam o importante título e uma premiação de 1 milhão de dólares (60 mil aos vencedores, 45 mil para os segundos colocados e 35 mil dólares aos medalhistas de bronze) e 1000 pontos para a dupla no ranking do Circuito Mundial. Além disso, os países dos atletas campeões estarão automaticamente classificados para as Olimpíadas do Rio 2016. A vaga é da federação, e não do time campeão. O Campeonato Mundial não conta pontos na corrida olímpica brasileira, já que possui formato distinto das demais etapas e possibilita apenas quatro duplas do país em cada naipe. VEJA TODOS OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO VEJA A GALERIA DE FOTOS Read More
    Circuito Mundial
  • classificadas Brasil vence todos os jogos do dia e coloca quatro duplas femininas nas oitavas

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 01.07.2015 O Brasil segue com força máxima em busca de medalhas no Campeonato Mundial de vôlei de praia, na Holanda. As quatro duplas que representam o país no torneio - Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ), Fernanda Berti/Taiana (RJ/CE), Juliana e Maria Elisa (CE/PE) e Larissa e Talita (PA/AL) - venceram seus jogos pela primeira fase eliminatória (Round 1) e se classificaram às oitavas de final da competição mais importante do calendário 2015. As partidas continuam nesta quinta-feira (02.07), com os duelos das oitavas e quartas de final. Um deles será um emocionante confronto verde e amarelo. Campeãs em 2011, Juliana e Larissa estarão agora em lados opostos. Elas se enfrentam com suas atuais parceiras às 10h (de Brasília), na arena central de Amsterdã. Será o décimo primeiro duelo entre os times, com nove vitórias de Larissa/Talita (PA/AL). Os outros confrontos das oitavas de final das duplas brasileiras terão Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ) contra Melissa Humana-Paredes e Taylor Pischke, do Canadá. O jogo acontece às 9h, em Apeldoorn. Em Haia, Fernanda Berti e Taiana (RJ/CE) enfrentam as espanholas Elsa Baquerizo e Liliana Fernandez, às 7h30. Em três confrontos entre os times, as espanholas levam vantagem com duas vitórias. O resultado já é mais expressivo que a última participação das seleções de praia no Campeonato Mundial de 2013. Naquela edição, apenas uma dupla avançou às oitavas de final do torneio feminino. Lili e Bárbara Seixas (ES/RJ), que posteriormente ficariam com o bronze. Nesta quarta, porém, o Brasil largou com o pé direito. Taiana e Fernanda Berti foram as primeiras a entrar em quadra pela fase eliminatória do Campeonato Mundial. E a dupla dominou as venezuelanas Norisbeth Agudo e Olaya Pazo, na cidade-sede de Haia. No início da partida Fernanda Berti colocou a parceria em vantagem, com grandes ataques. Pela primeira vez uma dupla do país sul-americano participava da competição, e Agudo fez as brasileiras se movimentarem intensamente em quadra. Após o tempo técnico, onde o placar indicava 12/9 para o time brasileiro, a empolgação deu lugar aos erros não forçados. Com isso, Taiana e Fernanda Berti abriu larga vantagem, fechando o set em 21/12. Na segunda etapa a parceria seguiu com o controle absoluto do jogo, com Taiana segura na defesa e Fê Berti dominando a rede. Sem grandes dificuldades, as brasileiras fecharam o set em 21/14 e o jogo em 2 sets a 0. "A gente vem trabalhando a parte psicológica antes mesmo do campeonato, sempre conversamos muito com toda a equipe. Estamos mais que preparadas para qualquer situação que a gente precise encarar. Esse é o momento de colocar em prática todo o esforço e treinamentos, estamos nos sentindo muito bem", disse Taiana após o jogo. Sob forte calor em Apeldoorn, Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ) encararam Jamie Broder e Kristina Valjas, do Canadá, que se classificaram em terceiro lugar na fase de grupos. Mesmo assim, deram trabalho ao time do Brasil. Buscando o jogo sobre a paranaense, o Canadá abriu 5/1 logo nos minutos iniciais. As brasileiras passaram a explorar as diagonais e diminuíram para dois pontos, com 9/7. Forçando o jogo na rede, o time adversário voltou a se distanciar no placar, com 15/10. Cada tentativa de Ágatha na rede era frustrada por Valjas, e o time rival encaminhou o primeiro set, fechado em 21/14, após corte no corredor de Broder. Precisando reverter a desvantagem do set anterior, Ágatha e Bárbara Seixas adotaram uma postura mais agressiva na segunda etapa e abriram 8/4, com a carioca aparecendo muito bem no ataque. Os time alternaram bons momentos, mas o Brasil se manteve na frente, abrindo 17/11 com Ágatha explorando o bloqueio. Em largada consciente da camisa dois, a parceria fechou o segundo set em 21/16, forçando o set desempate. O tie-break foi todo verde e amarelo. Forçando o saque e impondo o ritmo do jogo, a dupla abriu 4/0 e obrigou o Canadá utilizar o tempo técnico. Com o jogo encaixado, Ágatha e Bárbara Seixas selaram a vitória, de virada, em 15/7. "Apesar de o time do Canadá ter se classificado somente como terceiro lugar, essa foi nossa a quarta vez que as enfrentamos, e a partir do momento que você enfrenta muitas vezes a mesma equipe, as duplas passam a se conhecer muito bem. Foi um jogo difícil, começamos muito devagar, nossa tática não funcionou. Já no segundo e terceiro set tivemos paciência e executamos o que deveríamos ter feito desde o início da partida", analisou Ágatha. "O Canadá nos persegue (risos). A gente sempre cruza com duplas canadenses em diferentes etapas. Humana-Paredes e Pischke formam um time novo, que começou a rodar o Circuito Mundial ano passado, mas já está dando trabalho para muita gente. Não existe jogo fácil aqui, também já fizemos jogos duríssimos contra elas, então vai ser muito mais uma questão de atitude, de imprimirmos nosso ritmo na partida", projetou Bárbara Seixas. Com dois times já classificados às oitavas de final do Campeonato Mundial, restavam às duplas sediadas em Amsterdã entrar em quadra e confirmar a classificação para a próxima fase. Juliana e Maria Elisa (CE/PE) fizeram um jogo muito movimentado contra as suíças Tanja Goricanec e Tanja Huberli - e largaram em desvantagem. As brasileiras reagiram, igualando o placar em 7/7, mas a Suíça anotou quatro pontos consecutivos e seguiu em vantagem. A diferença aumentou para cinco pontos, com 15/10, após saque na medida de Tanja Huberli. As atuais campeãs do Circuito Mundial novamente buscaram o jogo, chegando a ficar apenas um ponto atrás no placar após grande bloqueio de Juliana. Mas, no fim na etapa inicial, as suíças conseguiram converteram o set point, alcançando 21/18. A derrota no set anterior não estava nos planos de Juliana e Maria Elisa, que partiram em busca da virada. A santista soltou o braço para marcar um ace e deixar a dupla em vantagem, com 5/3. Vibrante, Juliana entrou de cabeça na partida, vencendo duelos na rede e levantando a torcida que lotou a arena central da capital holandesa. As atletas mantiveram a vantagem até que Maria Elisa explorou o bloqueio de Goricanec para fechar a segunda etapa em 21/18 e levar a decisão para o tie-break. Consciente, a dupla iniciou o set desempate abrindo 2/0, e não largou mais a ponta. A carioca conquistou o match point após levar a melhor na rede de consolidou a vitória no set, fechado em 15/9. "Foi um jogo muito complicado, a gente começou cometendo muitos erros, mas felizmente conseguimos nos encontrar em quadra, e principalmente se ajudar. A gente se encontrou, respirou e voltou para o jogo, saindo de um momento de muita dificuldade. Essa superação faz a diferença em uma competição como essa", disse Juliana. "Elas são favoritas. A gente não escolhe adversário, mas estamos preparadas. As duplas se enfrentam bastante no circuito brasileiro, mas a gente só não pode cometer os mesmos erros da partida de hoje. Nosso principal adversário está em mim mesmo e na Juliana. Se a gente colocar dentro de quadra tudo aquilo que a gente treina, aquilo que a gente faz de melhor, as coisas vão fluir", apontou Maria Elisa. Invictas na competição, Talita e Larissa (AL/PA) buscaram a vaga nas oitavas de final diante de Mariafe Artacho del Solar e Nicole Laird, da Austrália, e foram superiores do primeiro ao último lance. Logo nos minutos iniciais, as brasileiras impuseram seu ritmo de jogo e abriram 5/3. As australianas aceleraram o jogo em busca da reação, e empataram em 12/12. Só que o time brasileiro estava bem no ataque, e com segurança fechou a primeira parcial em 21/18. No segundo set as australianas voltaram a imprimir um ritmo forte e chegaram à liderança no placar, após belo lance de Artacho del Solar. O Brasil cresceria na partida após a pausa técnica e Larissa e Talita, mais experientes, conduziram o time à vitória. Com tranquilidade, Talita empatou e virou o jogo, enquanto Larissa, de ace, fechou o set em 21/17 e fez a festa com a torcida brasileira presente em Amsterdã. "Foi bom, um jogo importante para a gente crescer e evoluir cada vez mais. Vencemos mais uma etapa, mas amanhã tem mais um jogo. Espero que a gente consiga manter essa sequência e fazer um bom jogo. O crescimento no campeonato é importante, a paciência e a tranquilidade que tivemos para reverter o placar", destacou Larissa. "Vamos focar no nosso time, buscar fazer o nosso melhor. Com certeza a gente conhece muito bem a Juliana e a Maria Elisa, mas elas também conhecem muito a gente. Então o time que der o seu melhor em quadra vai se sair vencedor", disse Talita. O chaveamento das quartas de final, que ocorrem também nesta quinta-feira (02.07), foram definidos. Caso Fernanda Berti e Taiana avancem, enfrentam a equipe vencedora do duelo entre as holandesas Meppelink/Van Iersel e as australianas Bawden/Clancy. Já Ágatha e Bárbara, se vencerem, enfrentam as vencedoras das norte-americanas April Ross/Kerri Walsh e das chinesas Fan Wang e Yuan Yue. Por fim, o time que vencer o duelo entre Larissa/Talita e Juliana/Maria Elisa encara o vencedor de Tatyana Mashkova / Irina Tsimbalova, do Cazaquistão, contra as canadenses Heather Bansley e Sarah Pavan. Dentro de quadra, os principais atletas disputam o importante título e uma premiação de 1 milhão de dólares (60 mil aos vencedores, 45 mil para os segundos colocados e 35 mil dólares aos medalhistas de bronze) e 1000 pontos para a dupla no ranking do Circuito Mundial. Além disso, os países dos atletas campeões estarão automaticamente classificados para as Olimpíadas do Rio 2016. A vaga é da federação, e não do time campeão. O Campeonato Mundial não conta pontos na corrida olímpica brasileira, já que possui formato distinto das demais etapas e possibilita apenas quatro duplas do país em cada naipe. VEJA TODOS OS RESULTADOS DO TORNEIO MASCULINO VEJA A GALERIA DE FOTOS Read More
    Circuito Mundial
  • campeões Títulos inéditos para Ana Patrícia/Rebecca e Vinícius/Matheus

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 01.07.2015 A etapa de Vitória (ES), a terceira do Circuito Banco do Brasil Sub-23, coroou dois novos campeões na atual temporada. Após dois vice-campeonatos nas paradas anteriores, Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) conquistaram o primeiro título juntas. No masculino, Vinícius e Matheus (ES/RJ) levaram a melhor e também subiram ao lugar mais alto do pódio pela primeira vez em 2015. As partidas foram disputadas nesta quarta-feira (01.07), na Praia de Camburi, com entrada franca à torcida. A final feminina foi uma ‘revanche’ de Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE). Na decisão da etapa de Campo Grande (MS), elas haviam sido superadas por Duda/Tainá (SE), mas desta vez deram a volta por cima e venceram por 2 sets a 0 (21/15, 21/15), em 30 minutos. Motivo de comemoração para a mineira, que enalteceu a adversária, com quem conquistou o ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2014. "A gente vinha fazendo bons jogos, bons torneios, mas sempre batendo na trave. No início da etapa conversamos bastante, tentamos acertar todos os detalhes não esperávamos um jogo fácil de jeito nenhum. Ainda mais por serem duas atletas de muita qualidade. Duda e eu temos muito respeito e carinho. Até pela relação juntas, fomos campeãs olímpicas da juventude. Mas entramos muito focadas, errando muito pouco. E acredito que isso foi fundamental", analisou. Na disputa de bronze, Andressa/Paula Hoffmann (PB/RJ), que tinham sido superadas por Duda e Tainá (SE) na semifinal, com derrota por 2 sets a 0 (21/14, 21/17), se recuperaram. Elas venceram Victoria e Ana Carolina (MS/SE) por 2 sets a 0 (21/13, 21/15), completando o pódio da etapa. Victoria e Ana Carolina (MS/SE) perderam na semifinal para Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) por 2 sets a 0 (21/13, 21/9), em 30 minutos. Já na final masculina, Matheus Maia e Jonas (RJ) tentavam o segundo título de etapa consecutivo, mas pararam em um grande desempenho de Vinícius e Matheus (ES/RJ), que venceram por 2 sets a 0 (31/29, 21/12), em 39 minutos de partida. Na disputa do bronze, Eduardo Davi e Arthur Lanci (PR) superaram Léo Morais e George (PB) por 2 sets a 1 (16/21, 21/16, 15/12), em 42 minutos de duração. Ainda nesta quarta-feira, horas antes, nas semifinais, Matheus e Jonas levaram a melhor sobre Léo Morais e George (PB) por 2 sets a 0 (22/20, 21/19), em 40 minutos. Na outra semi, Vinícius e Matheus eliminaram Lanci e Davi por 2 sets a 0 (23/21, 21/16), em 40 minutos. Após Vitória (ES), a próxima parada do torneio será no Rio de Janeiro (RJ), de 4 a 6 de agosto. Na etapa de abertura, em Chapecó (SC), títulos para Arthur Lanci/Eduardo Davi (PR) e Andressa/Paula Hoffmann (PB/RJ). Já na segunda etapa, em Campo Grande (MS), Duda/Tainá e Matheus Maia/Jonas (RJ) ficaram com a medalha de ouro. As duas últimas etapas serão em Salvador (BA), de 8 a 10 de setembro, e Brasília (DF), de 13 a 15 de outubro. Diferente dos outros dois torneios de base nacionais (Sub-19 e Sub-21), no Sub-23 os atletas não precisam representar o mesmo estado para formarem as duplas. Os campeões em cada naipe recebem uma premiação de R$ 3,7 mil. O Circuito Banco do Brasil Sub-23 foi criado no final de 2011, com a etapa de estreia ocorrendo em João Pessoa, em março de 2012. A competição foi lançada visando dar mais um passo a favor do fortalecimento das categorias de base do Vôlei de Praia brasileiro, promovendo uma integração ao profissional. Read More
    Circuito Sub 23
  • primeiro desafio Brasil estreia contra o Japão nesta sexta-feira

    Uma reedição da partida que decidiu o último Grand Prix marcará a estreia da seleção brasileira feminina de vôlei na competição em 2015. O Brasil duelará com o Japão às 8h30 (Horário de Brasília) desta sexta-feira (03.07), no Indoor Stadium Huamark, em Bangcoc, na Tailândia. O jogo terá transmissão ao vivo da Band e do SporTV. Além de brasileiras e japonesas, o grupo A ainda tem a Sérvia e as donas da casa. Em 2014, na partida decisiva do Grand Prix, em Tóquio, no Japão, as brasileiras venceram as japonesas por 3 sets a 0 e garantiram a medalha de ouro e o décimo título competição. O time nipônico ficou com o segundo lugar. Neste ano, as duas seleções se enfrentaram quatro vezes em amistosos realizados no Brasil. Todas as partidas foram decididas no quinto set e o time verde e amarelo venceu três jogos enquanto as orientais foram melhores em um. O Brasil será representado na primeira etapa do Grand Prix pelas levantadoras Dani Lins e Macris, as opostos Monique e Joycinha, as ponteiras Fernanda Garay, Gabi, Natália e Mari Paraíba, as centrais Adenízia, Juciely, Carol e Bárbara e as líberos Camila Brait e Léia.Para o treinador José Roberto Guimarães, o jogo desta sexta-feira é um bom teste para as atuais campeãs do Grand Prix. “Será um jogo difícil. O Japão é uma equipe que defende muito e tem bastante velocidade. Os amistosos foram importantes, mas agora é uma nova etapa. Essa partida será nossa estreia na competição e o Japão é um time complicado de enfrentar, ainda mais como primeiro jogo, mas estamos bem preparados”, afirmou José Roberto Guimarães. A levantadora Dani Lins chamou a atenção para o estilo de jogo japonês e apostou em um duelo com muitos rallys. “Estamos focadas nessa estreia. Os amistosos foram bons treinos e ajudaram nossa preparação para enfrentar seleções que jogam com velocidade. Temos que entrar ligadas na partida e sabemos que a bola não vai cair facilmente do outro lado. Será um jogo de muitas trocas de bola e vamos precisar de paciência”, analisou Dani Lins. A central Carol destacou a importância de um fundamente específico contra as japonesas. “Estou feliz de iniciar o Grand Prix com esse grupo de jogadoras. Temos treinado bastante e é sempre difícil enfrentar o Japão. Sabemos que o nosso saque será um fundamento decisivo na partida. Se o saque funcionar, conseguiremos quebrar um pouco da velocidade delas e isso é muito importante para alcançarmos a vitória”, explicou Carol. Entenda o Grand Prix De 3 a 18 de julho, as 12 principais seleções disputarão a fase classificatória. A cada semana, serão formados três grupos com quatro seleções em cada, definidas em sorteio. Nesta etapa, o Brasil jogará em três cidades diferentes: Bangcoc (Tailândia), São Paulo (Brasil) e Catania (Itália). O time verde e amarelo é o atual campeão e luta pelo 11º título. Ao fim da fase de classificação, as cinco equipes mais bem colocadas avançarão à fase final, que contará ainda com os Estados Unidos, país sede. A fase final acontecerá de 22 a 26 de julho, em Omaha, nos Estados Unidos. BANGCOC (TAILÂNDIA) (03.07) – Brasil x Japão às 8h30 (Horário de Brasília) Transmissão: SporTV e Band (04.07) – Brasil x Sérvia às 4h (Horário de Brasília) Transmissão: SporTV e Band (05.07) – Brasil x Tailândia 6h30 (Horário de Brasília) Transmissão: SporTV e Band O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Grand Prix
  • grandes jogos Medalhista olímpico e novas formações marcam presença na etapa de Vitória

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 01.07.2015 Um dos palcos mais tradicionais do vôlei de praia brasileiro, Vitória (ES) recebe, a partir desta quinta-feira (02.07), a terceira etapa do Circuito Banco do Brasil Challenger. Um dia após a decisão da etapa Sub-23, agora será a vez da cidade receber também os atletas do profissional, com diversos nomes de destaque do cenário. Os jogos ocorrem na Praia de Camburi, na Avenida Dante Michelini, em frente ao nº 2317, com entrada franca à torcida. As partidas ocorrem a partir das 8h e contam com transmissão ao vivo do site da CBV no link cbbvp.cbv.com.br/index.php/aovivo. As finais serão transmitidas em VT pela Rede TV no próximo dia 11, às 14h, na SuperFaixa do Esporte. Entre os atletas, nomes importantes, como o atleta olímpico Benjamin, que começa já na fase de grupos. Márcio Araújo (CE), medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Pequim, 2008, e Harley (DF), campeão do Circuito Mundial daquele mesmo ano, buscarão a vaga à fase de grupos pelo torneio qualificatório, que começa nesta quinta-feira. Além disso, várias novas formações serão testadas na terceira etapa do Challenger. Thaís (RJ), que vinha jogando ao lado de Fabíola (DF), jogará ao lado de Carolina (RJ). E Fabíola passará a atuar com Luciana (CE). Val (RJ), que vinha jogando ao lado de Josi (SC), terá como parceira temporária Camila (RJ), enquanto Josi terá outros compromissos no período. Rafaela e Michelle (PA/RJ) é outra dupla que estreia na etapa. O sistema de disputa da competição funciona da seguinte forma. Oito duplas entram direto na fase de grupos pela classificação no ranking de entradas, enquanto outros quatro times garantem presença através da disputa do qualificatório, no primeiro dia dos torneios . Os 12 times finais são divididos em três grupos de quatro e duelam pela primeira fase, no segundo dia de competições (sexta-feira). Avançam os primeiros e segundos de cada grupo, além dos dois melhores terceiros colocados. Ainda no segundo dia dos torneios ocorre a disputa das quartas de final. O terceiro e último dia (sábado) tem a disputa das semifinais, bronze e finais dos dois gêneros. A dupla campeã de cada etapa soma 200 pontos no ranking que define os campeões da temporada, além de uma premiação em dinheiro para os times na disputa. A temporada 2015 do Challenger é formada por quatro etapas e será sediada, após passar por Chapecó-SC, Campo Grande-MS e agora Vitória-ES, em Cabo Frio-RJ (24 a 26 de julho). Os jogos do Circuito Challenger contam com transmissão ao vivo das partidas da quadra central pelo link http://cbbvp.cbv.com.br/index.php/aovivo. Já estão garantidos na fase de grupos do torneio masculino do Challenger as duplas Fábio Guerra/Daniel Souza (RJ), Léo Vieira/Luciano (DF/ES), Léo Gomes e Bernat (RJ), Benjamin/André (MS/ES), Anderson Melo/Averaldo (RJ/TO), Lipe/Fábio (CE/CE) e Oscar/Thiago (RJ/SC). Outros 32 times disputam as últimas quatro vagas aos grupos. No torneio feminino, já têm vaga na fase de grupos pela posição no ranking os seguintes times: Val/Camila (RJ), Duda/Elize Maia (SE/ES), Andréa Teixeira/Leize (SC), Rachel/Ângela (RJ/DF), Amanda/Fabrine (RJ/BA), Fabíola/Luciana (DF/CE), Rafaela e Michelle (PA/RJ) e Tainá/Andressa (SE/PB). Mais 23 duplas duelam pelas últimas vagas no qualificatório. Na primeira etapa, em Chapecó (SC), títulos para Luciano/Léo Vieira (ES) e Val/Josi (RJ/SC). Elas repetiriam a conquista na etapa seguinte, em Campo Grande (MS), quando Fábio Guerra/Daniel Souza (RJ) levou o ouro no torneio masculino. O time vencedor de cada etapa soma 400 pontos, além de receber uma premiação de R$ 14 mil. Somando os dois naipes, o torneio distribui cerca de R$ 130 mil aos atletas. Na liderança do ranking geral, que soma os pontos de todas as etapas, Fábio Guerra/Daniel Souza (RJ) aparecem em primeiro, com 760 pontos. A liderança no ranking feminino é de Val/Josi (RJ/SC), com 800 pontos. SERVIÇO - CHALLENGER VITÓRIA (ES)Data: Quinta-feira (02.07) a sábado (04.07)Horário: A partir das 8hLocal: Praia de Camburi - Av. Dante Michelini, nº 2317Entrada gratuita Read More
    Circuito Challenger
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1
  • 1

Seleção Masculina

Clássico

Liga Mundial 

Brasil encara a Itália em jogo de grande rivalidade

Interatividade

Liga Mundial 

Ações movimentam as redes sociais oficiais do vôlei brasileiro

Vôlei Praia

todos passaram

Circuito Mundial 

Duplas masculinas completam show brasileiro e avançam às oitavas na Holanda

classificadas

Circuito Mundial 

Brasil vence todos os jogos do dia e coloca quatro duplas femininas nas oitavas

Seleção Feminina

primeiro desafio

Grand Prix 

Brasil estreia contra o Japão nesta sexta-feira

Em Bangcoc

Grand Prix 

Brasil chega à Tailândia e realiza primeiro treino

Vôlei Quadra

Clássico

Liga Mundial 

Brasil encara a Itália em jogo de grande rivalidade

Relação dos 12

Quadra 

JOGOS PAN-AMERICANOS: Seleção masculina de vôlei é anunciada


COMPETIÇÕES QUADRA

  •  SUPERLIGA CBS   SUPERLIGA B   Liga Nacional    MASTER  
  • Superliga
  • Superliga
  • CBS
  • COPA BRASIL
  • Vôlei Master



COMPETIÇÕES PRAIA

  • CBBVP - Open
  • CBBVP - Open
  • CBBVP - Open
  • CBBVP - Open
  • Vôlei Master