• Alô, jornalistas AVISO DE PAUTA: Grupo chega do Pan e atende a imprensa em Saquarema

    O técnico Rubinho e os atletas Douglas, João Rafael, Flávio, Kadu, Thiaguinho e Tiago Brendle chegam nesta terça-feira (28.07) ao Brasil, após a conquista da medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, e se apresentam, no mesmo dia, no Centro de Desenvolvimento de Voleibol, em Saquarema (RJ), para a preparação para o Campeonato Mundial Sub-23. O treino desta seleção será aberto à imprensa na quarta-feira (29.07), a partir das 9h. Dois desses jogadores tiveram grande destaque durante toda a competição no Canadá. Douglas foi eleito o melhor ponteiro do Pan e Brendle, o melhor líbero, e, ainda foi premiado pelo melhor passe e pela melhor defesa.  A seleção principal, que disputou a Liga Mundial, também estará em Saquarema onde, normalmente, acontece esse intercâmbio e o técnico Bernardinho tem a chance de observar os jogadores mais jovens. O grupo se prepara para amistosos no exterior a partir do dia 20 de agosto. Os jornalistas interessados na cobertura devem confirmar presença através do email imprensa@volei.org.br até às 17h desta terça-feira (28.07). A assessora de imprensa Clarissa Laurence (21 – 99450-4594) estará em Saquarema para ajudar no trabalho. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Quadra
  • Terceiro lugar Brasil vence a Itália e garante a medalha de bronze

    Brasil vence a Itália e garante a medalha de bronze Read More
    Grand Prix
  • No pódio Jovem seleção brasileira é medalha de prata em Toronto

    A jovem seleção brasileira masculina de vôlei presente nos Jogos Pan-Americanos de Toronto encerrou a participação no Canadá com a medalha de prata. Sem poder contar com os principais nomes da modalidade, que estavam na disputa da Fase Final da Liga Mundial, o Brasil venceu os quatro primeiros jogos e foi superado apenas na final, somente no tie break. Neste domingo (26.07), na final, a Argentina venceu por 3 sets a 2, com parciais de 25/23, 18/25, 19/25, 25/23 e 15/8, em 2h15 de partida. O oposto Renan foi um dos principais destaques do Brasil ao longo dos Jogos Pan-Americanos. Neste domingo, o atacante foi o maior pontuador da partida, com 28 acertos. Pela Argentina, o ponteiro Conte marcou 23. Consciente do objetivo que a seleção brasileira tinha desde o início do Pan, o técnico Rubinho destacou o aprendizado obtido nesta final. O treinador ainda avaliou o desempenho da equipe nesta partida decisiva.  “O jogo foi bom. Da metade do quarto set para frente, falhamos bastante e não conseguimos nos reorganizar e fazer o que estava sendo feito de forma positiva. Eles fizeram algumas trocas positivas, que surtiram efeitos, e cresceram pela experiência do time. Nós estamos falando de um time que, daqui a dois meses, vai disputar uma vaga para os Jogos Olímpicos, e de outra que talvez alguns sejam chamados para fazer parte da equipe principal. A diferença é gritante nesses aspecto”, explicou Rubinho. O resultado negativo, segundo o treinador, é válido para o desenvolvimento dos jovens atletas. “Nós conseguimos dominar o adversário até certo ponto e o técnico argentino teve que fazer várias mudanças para conseguir o resultado. Mas, enfim, o objetivo dessa equipe também era passar por isso. Óbvio que estamos aqui para vencer sempre, mas esse é um jogo que ensina muito para os mais jovens”, afirmou Rubinho. O técnico da seleção brasileira no Pan destaca pontos positivos de toda a participação brasileira na competição. “Alguns estão aqui já visualizando a seleção principal e viveram, aqui, uma situação que é muito importante. Estar nessa final é muito positivo. Demos passos no desenvolvimento desses jogadores e isso é fundamental. Jogamos contra um grande time e é fato que, mesmo que de forma dolorosa, se aprende muito. É um aprendizado de onde vamos tirar várias pontos para melhorar o processo daqui para gente”, concluiu Rubinho. O líbero Tiago Brendle também falou sobre a atuação do Brasil nesta final. “Tivemos a oportunidade de fechar a partida no quarto set, não conseguimos e isso nos custou a partida. Não conseguimos aproveitar a oportunidade que apareceu (quando o Brasil chegou a ter a vantagem de 16/9 no quarto set), e agora temos que olhar para frente. Essa foi uma competição muito importante para a seleção”, afirmou Brendle. O JOGO A Argentina começou melhor e fez 2/0. Contando com erros do Brasil, o adversário chegou a 6/2. Quando os argentinos fizeram mais um ponto, Rubinho pediu tempo. No ace de Renan, a vantagem adversária caiu para 8/5. Com Maurício Souza, o placar foi para 8/6. Ainda com o Brasil cometendo muitos erros, a Argentina fez 12/7. Otávio conseguiu bom bloqueio e o placar foi para 12/10. A vantagem se manteve em dois (15/13) e, depois, aumentou para quatro (18/14). Quando o placar apontou 19/14, Rubinho parou o jogo. A vantagem caiu para 20/17. Em boa passagem de Maurício Souza pelo saque, o placar foi para 21/19. No final, o Brasil encostou em 24/23, mas a Argentina fechou em 25/23. Com o oposto Renan marcando os dois primeiros pontos para o Brasil, 2/1 no começo do segundo set. A seleção brasileira chegou a 4/2. Renan seguiu com bom aproveitamento e a equipe verde e amarela fez 6/4. Agressivo no saque, o time da Argentina assumiu o comando do placar em 8/7. O jogo ganhou ainda mais equilíbrio e, com Renan, 10/10. No ponto de saque de Otávio, 14/13 para a seleção brasileira. Um de vantagem ainda em 17/16. Com boa atuação de Renan, 19/16. Contando com erros dos argentinos, Brasil abriu quatro pontos (20/16). No bloqueio de Douglas, 22/17. No final, com Maurício Borges, 25/18. O ponteiro Douglas abriu o placar do terceiro set e, com bloqueio, fez 2/0. O terceiro do Brasil também foi de Douglas (3/1). Com o Renan pontuando bem, a seleção verde e amarela chegou a 11/7 e a Argentina pediu tempo. Eficiente no bloqueio, o Brasil fez 13/7. Com o central Otávio, a equipe brasileira chegou a sete pontos de vantagem: 16/9. O time dirigido pelo técnico Rubinho seguiu bem, no comando do marcador (18/12). Quando os brasileiros fizeram 23/16, a Argentina pediu tempo. Mais uma vez com Maurício Borges, o Brasil fechou o set em 25/19. A Argentina abriu o quarto set com ponto de saque de Conte. No ace de Douglas, o Brasil assumiu o comando do placar em 5/4. Com dois pontos seguidos do central Maurício, a equipe verde e amarela abriu cinco de vantagem: 10/5. A seleção brasileira seguiu no domínio da parcial (13/9). A Argentina aproximou no placar em 13/11, mas os jogadores do Brasil não permitiram a reação adversária e fizeram 15/12. O jogo ganhou emoção no empate em 17/17. O oposto Renan colocou o Brasil com um de vantagem em 19/18. O argentino Conte deixou tudo igual em 20/20. Novo empate em 22/22. Com Douglas, o Brasil fez 23/22, mas a Argentina virou em 24/23 e fechou em 25/23. Os argentinos abriram o set decisivo e ainda fizeram 3/0. Neste momento, Rubinho pediu tempo. A Argentina fez 4/2. A vantagem ainda foi para 6/2. O Brasil se recuperou e fez 6/4. Na troca de quadra, os argentinos venciam por 8/5. Quando o adversário chegou a 10/6, o técnico do Brasil pediu tempo. Mas os argentinos não deram chances aos brasileiros no tie break e fecharam em 15/8. BRASIL – Murilo, Renan, Maurício Souza, Otávio, Douglas e Maurício Borges. Líbero – Tiago Brendle Entraram – Rafael Araújo, Thiaguinho, João Rafael Técnico: Rubinho GALERIA DE FOTOS http://2015.cbv.com.br/midia/galeria-de-imagens/item/22124-toronto-canada-26-07-2015-jogos-pan-americanos-brasil-x-argentina TABELA: 17/07 (sexta-feira) Brasil 3 x 0 Colômbia (26/16, 25/13 e 25/16) 19/07 (domingo) Brasil 2 x 3 Cuba (20/25, 25/18, 23/25, 25/22 e 11/15) 21/07 (terça-feira) Brasil 3 x 0 Argentina (29/27, 25/21 e 25/22) 24/07 (sexta-feira) Brasil 3 x 0 Porto Rico (25/16, 25/17 e 25/23) 26.07 (domingo) Brasil 2 x 3 Argentina (23/25, 25/18, 25/19, 23/25 e 8/15) O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do vôlei brasileiro Read More
    Jogos Pan-Americanos
  • mais um Alison e Bruno Schmidt são campeões do Grand Slam de Yokohama

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 26.07.2015 Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) seguem imparáveis no Circuito Mundial 2015. Com vitória incontestável sobre os canadenses Chaim Schalk e Ben Saxton por 2 sets a 0 (21/15, 21/15), os brasileiros comemoram o título do Grand Slam de Yokohama, na tarde de verão do domingo (26.07) japonês. Foi o terceiro título consecutivo da dupla, que de quebra assumiu a ponta do tour mundial. A dupla embalou e venceu o Campeonato Mundial, na Holanda, e em seguida o Major Series de Gstaad, na Suíça, completando a ‘trinca’ no título japonês. Com o ouro de ‘Mamute’ e Bruno, o Brasil alcança 21 medalhas na atual temporada do Circuito Mundial. Alison agora possui 15 ouros, 13 pratas e 11 bronzes nas etapas internacionais, enquanto seu parceiro soma seis ouros, seis pratas e quatro bronzes. Além de assumirem a liderança do Circuito Mundial 2015, com 4.120, eles encostam na liderança da corrida olímpica brasileira. Pedro Solberg e Evandro (RJ) permanecem em primeiro, com 3.200 pontos, enquanto Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) estão na segunda posição, com 3.120 (veja a lista completa abaixo). Apaixonados por beisebol, futebol e sumô, os habitantes de Yokohama mudaram a rotina do final de semana para acompanhar um esporte que é pouco conhecido no Japão, o vôlei de praia. A animação dos japoneses, que não recebiam o torneio masculino há 20 anos e o feminino há seis, contagiou os atletas brasileiros que não desistiram de nenhuma bola desde o início da partida. Cercados de centenas de olhares curiosos, Alison e Bruno Schmidt abriram boa vantagem no início da partida e se mantiveram na liderança do marcador durante todo o tempo, fechando o primeiro set pela parcial de 21 a 15. A entrada de Volley Boo, mascote local, e das garotas de Tóquio, no intervalo, animou a torcida e pareceu ter contagiado também a dupla canadense, que iniciou o segundo set na frente. Com Bruno Schmidt implacável nas defesas e no saque, a dupla brasileira se recuperou e confirmou a excelente campanha com mais uma vitória, sagrando-se campeã invicta do torneio, repetindo o placar de 21 a 15. "Para nossa sorte neste fim de tarde a temperatura caiu um pouco, ventou bastante e não nos castigou tanto como nas semifinais. O Bruno teve um excelente desempenho na decisão, com boas defesas e saques, o que ajudou a colocar nossa estratégia em prática e conquistar a vitória", resumiu Alison, após receber a medalha de ouro de Kenji Kimura, presidente da Associação Japonesa de Voleibol. Já Bruno Schmidt, autor da cortada que deu o novo troféu à dupla, destacou as dificuldades extras que o Grand Slam de Yokohama apresentou. "Este foi um dos torneios mais duros que já disputei. Além das dificuldades dentro de quadra, comemorei muito o título por termos conseguido vencer a insônia, este fuso horário que dificulta e o forte calor que fez durante toda a competição", analisou. Horas antes, pelas semifinais, eles haviam vencido os austríacos Clemens Doppler e Alexander Horst por 2 sets a 0 (21/14, 21/18), em 38 minutos. Na disputa de bronze, os próprios austríacos levaram a melhor sobre os russos Konstantin Semenov/Viacheslav Krasilnikov, completando o pódio masculino da etapa. A corrida olímpica brasileira será definida da seguinte forma: uma dupla masculina e uma dupla feminina conquistarão a classificação para a Olimpíada de 2016 pela pontuação obtida nos nove principais eventos do Circuito Mundial 2015 (cinco Grand Slams, três Major Series e Open do Rio de Janeiro). Os times poderão descartar os dois piores resultados ao longo da temporada. Em 2015, o calendário do Circuito Mundial prevê cinco Grand Slams, três Major Series, dez Opens, o Campeonato Mundial e o World Tour Finals, que reunirá apenas os oito melhores times da temporada de cada gênero. Cada torneio possui pontuação e premiação distintas, mas serão distribuídos ao todo mais de 9,6 milhões de dólares. Yokohama é a sexta etapa que conta pontos para a corrida olímpica brasileira, ranking que classificará uma dupla em cada naipe aos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Após a etapa japonesa, o tour sofre uma pausa e volta com o Grand Slam de Long Beach, nos EUA, de 18 a 23 de agosto. CONFIRA A CORRIDA OLÍMPICA BRASILEIRA: Pedro Solberg/Evandro - 3200Alison/Bruno Schmidt - 3120Ricardo/Emanuel - 2400Álvaro Filho/Vitor Felipe - 880 VEJA A GALERIA DE FOTOS VEJA OS RESULTADOS DO DIA BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2015: Open de PragaÁgatha/Bárbara Seixas - ouro Duda/Elize Maia - bronze Grand Slam de MoscouLarissa/Talita - ouro Evandro/Pedro Solberg - prata Major Series de PorecLarissa/Talita - ouro Major Series de StavangerEvandro/Pedro Solberg - ouro Juliana/Maria Elisa - ouro Ágatha/Bárbara Seixas - prata Grand Slam de São PetersburgoÁgatha/Bárbara Seixas - ouroJuliana/Maria Elisa - prataFernanda Berti/Taiana - bronze Campeonato Mundial da HolandaÁgatha/Bárbara Seixas - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prataJuliana/Maria Elisa - bronzeEvandro/Pedro Solberg - bronze Major Series de GstaadLarissa/Talita - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prata Grand Slam de YokohamaAlison/Bruno Schmidt - ouroÁgatha/Bárbara Seixas - prata O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro. Read More
    Circuito Mundial
  • lideram o ranking Ágatha e Bárbara terminam com a prata no Grand Slam de Yokohama

    Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 26.07.2015 O Brasil subiu ao pódio mais uma vez no Circuito Mundial 2015. A paranaense Ágatha e a carioca Bárbara Seixas lutaram, mas acabaram superadas pelas alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst por 2 sets a 0 (parciais de 14/21 e 17/21) e ficaram com a prata no Grand Slam de Yokohama, no Japão. Os times brasileiros haviam vencido as últimas sete paradas do tour internacional e a dupla medalha de prata lidera o ranking geral. Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ) somaram sua quinta medalha na temporada, três de ouro e duas de prata. Ao todo, a paranaense, eleita melhor jogadora do Campeonato Mundial da Holanda, possui 13 medalhas nas etapas internacionais, mesmo número total de Bárbara. A campanha da dupla no Japão contou com seis vitórias e somente a derrota da final. Foi também a 21ª medalha do Brasil no Circuito Mundial 2015. Com o resultado, Ágatha e Bárbara somam mais 720 pontos no ranking do tour mundial e abrem vantagem na corrida olímpica brasileira por uma vaga aos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Elas aparecem em primeiro, com 3.560 pontos, seguidas por Larissa e Talita (PA/AL), que somam 3.240 ponto (veja a classificação completa abaixo). Além disso, o time recebe uma premiação de 43 mil dólares pelo vice-campeonato. Nas cinco vezes que chegaram às semifinais, as brasileiras levaram alguma medalha nesta temporada. Além disso, com 44 vitórias e apenas seis derrotas no tour 2015, elas possuem um incrível aproveitamento de triunfos de 86% das partidas disputadas. Após a final Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ) comemoraram como nunca a quinta medalha conquistada em etapas do Circuito Mundial de Vôlei de Praia, com o novo pódio do Grand Slam de Yokohama, neste domingo. "Para ser bem sincera pensei em nem entrar para a partida. Durante todo o torneio estava bastante cansada, com um nível de desgaste alto. Por entrar para a final exausta, até posso dizer que para nós a prata teve gosto de ouro" revelou Ágatha após a decisão em Yokohama. Após uma jornada que durou 70 dias corridos, entre as etapas do Circuito Mundial na Europa e o Grand Slam de Yokohama, na Ásia, a dupla finalmente retornará ao Brasil, onde irá se preparar para a etapa de Longe Beach, nos Estados Unidos, ambos disputados em agosto. "Em primeiro lugar, agora só queremos poder voltar para a casa. Abriremos mão da disputa da etapa de Brasília para focarmos na nossa prioridade, que é o Circuito Mundial e a Corrida Olímpica para os Jogos do Rio de 2016", concluiu Bárbara, entusiasmada em poder retornar para rever os amigos e familiares. A corrida olímpica brasileira será definida da seguinte forma: uma dupla masculina e uma dupla feminina conquistarão a classificação para a Olimpíada de 2016 pela pontuação obtida nos nove principais eventos do Circuito Mundial 2015 (cinco Grand Slams, três Major Series e Open do Rio de Janeiro). Os times poderão descartar os dois piores resultados ao longo da temporada. Em 2015, o calendário do Circuito Mundial prevê cinco Grand Slams, três Major Series, dez Opens, o Campeonato Mundial e o World Tour Finals, que reunirá apenas os oito melhores times da temporada de cada gênero. Cada torneio possui pontuação e premiação distintas, mas serão distribuídos ao todo mais de 9,6 milhões de dólares. Yokohama é a sexta etapa que conta pontos para a corrida olímpica brasileira, ranking que classificará uma dupla em cada naipe aos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Após a etapa japonesa, o tour sofre uma pausa e volta com o Grand Slam de Long Beach, nos EUA, de 18 a 23 de agosto. CONFIRA A CORRIDA OLÍMPICA BRASILEIRA: Ágatha/Bárbara Seixas - 3560Larissa/Talita - 3240Juliana/Maria Elisa - 2960Fernanda Berti/Taiana - 2080Maria Clara/Carol - 1520 VEJA A GALERIA DE FOTOS VEJA OS RESULTADOS DO DIA BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2015: Open de PragaÁgatha/Bárbara Seixas - ouro Duda/Elize Maia - bronze Grand Slam de MoscouLarissa/Talita - ouro Evandro/Pedro Solberg - prata Major Series de PorecLarissa/Talita - ouro Major Series de StavangerEvandro/Pedro Solberg - ouro Juliana/Maria Elisa - ouro Ágatha/Bárbara Seixas - prata Grand Slam de São PetersburgoÁgatha/Bárbara Seixas - ouroJuliana/Maria Elisa - prataFernanda Berti/Taiana - bronze Campeonato Mundial da HolandaÁgatha/Bárbara Seixas - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prataJuliana/Maria Elisa - bronzeEvandro/Pedro Solberg - bronze Major Series de GstaadLarissa/Talita - ouroAlison/Bruno Schmidt - ouroFernanda Berti/Taiana - prata Grand Slam de YokohamaAlison/Bruno Schmidt - ouroÁgatha/Bárbara Seixas - prata O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro. Read More
    Circuito Mundial
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1
  • 1

Seleção Masculina

Terceiro colocado

Liga Mundial 

Estados Unidos ficam com a medalha de bronze

É ouro

Liga Mundial 

França conquista título inédito

Vôlei Praia

Circuito Sub-19

Praia 

Paraná e Rio de Janeiro são campeões da temporada em Palmas (TO)

mais um

Circuito Mundial 

Alison e Bruno Schmidt são campeões do Grand Slam de Yokohama

Seleção Feminina

Terceiro lugar

Grand Prix 

Brasil vence a Itália e garante a medalha de bronze

na briga pelo pódio

Grand Prix 

Brasil é superado pelos Estados Unidos e luta por medalha neste domingo

Vôlei Quadra

Alô, jornalistas

Quadra 

AVISO DE PAUTA: Grupo chega do Pan e atende a imprensa em Saquarema

Preparação

Quadra 

SELEÇÃO SUB-23: CBV anuncia 15 atletas chamados para treinamentos